Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

O que segue a justiça e a bondade achará a vida, a justiça e a honra.

(Provérbios 21:21)

"Cristãos deveriam se sentir ofendidos pela decisão da ONU sobre Israel", diz Ben Carson
Fonte: IEMIF - 20/10/2016 - 14h28min

O ex-candidato presidencial republicano Dr. Ben Carson criticou as Nações Unidas, bem como a UNESCO por aprovar uma resolução na semana passada que nega a conexão histórica de judeus — e consequemente, dos cristãos — com o Monte do Templo, em Jerusalém.

"Os Judeus e cristãos em todo o mundo deveriam estar moralmente indignados com o roubo da UNESCO, que lhes privou de sua história e negou a sua conexão com o Monte do Templo e o Muro das Lamentações", escreveu Carson em um texto publicado pelo Jornal 'Independent Review' na última segunda-feira (17).

"A adaptação desta resolução antissemita e virulenta da UNESCO sobre Israel é uma abominação absoluta", acrescentou.

Carson explicou que o viés "antissemita" na ONU levou à UNESCO a aprovar uma resolução, negando conexões judaico-cristãs para com o Monte do Templo e o Muro das Lamentações, em Jerusalém, Israel.

A controvérsia surgiu na semana passada, quando os membros da UNESCO votaram para aprovar uma resolução que se refere ao Monte do Templo - e incialmente também ao Muro das Lamentações, mas este ponto da proposta foi retirado após forte pressão internacional. Os locais sagrados da história judaica e do cristianismo milenar, passaram a ser chamados apenas por seus nomes muçulmanos, com aprovação da resolução.

Vinte e quatro membros da UNESCO votaram a favor da resolução, 26 se abstiveram e seis votaram contra a proposta que foi apresentada pelos representantes palestinos, junto com o Egito, Argélia, Marrocos, Líbano, Omã, Catar e Sudão. A resolução também condena Israel sobre várias questões relacionadas a Jerusalém e seus lugares sagrados, de acordo com o site 'i24News'.

"O projecto de resolução, cuja cópia foi obtida pelo jornal israelense 'Ha'aretz', reconhece que a cidade de Jerusalém é sagrada para o judaísmo, islamismo e cristianismo, mas diz que o local sagrado do Monte do Templo "tem conexão apenas com os muçulmanos".

"Uma seção inteira da proposta foi dedicada especificamente ao complexo do Monte do Templo, que se refere apenas a nomes muçulmanos do local (Al-Aqsa e Haram al-Sharif). O texto também deixa de mencionar seus nomes em hebraico ou inglês (Har HaBayit ou Monte do Templo)", aponta um relato do 'i24News'.


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu criticou a resolução aprovada pela ONU. (Foto: Reuters)

A decisão gerou a indignação do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que chamou a UNESCO, a agência encarregada pela ONU de preservar marcos históricos e culturais importantes, como um "teatro do absurdo".

"Obviamente, eles nunca leram a Bíblia", disse Netanyahu. "Mas gostaria de aconselhar os membros da UNESCO a visitarem o Arco de Tito, em Roma, onde eles podem ver o que os romanos levaram para lá, depois de terem destruído e saqueado o Monte do Templo há dois mil anos. É possível ver gravado no arco o menorah de sete braços, que é o símbolo do povo judeu, bem como o símbolo do Estado judaico hoje".

Carson observou que a Bíblia hebraica se refere ao Monte do Templo como o local de dois templos judaicos antes da sua destruição, mas também é reconhecido pela tradição judaica e islâmica como o local onde Abraão recebeu a ordem de Deus para sacrificar seu filho, Isaque — e posteriormente foi impedido por um anjo do Senhor.

"O rei Salomão construiu o primeiro templo em 957 aC. O local foi destruído pelos babilônios em 586 aC. O Segundo Templo foi construído 70 anos depois no mesmo local, por judeus que retornaram do exílio. Mas foi destruído pelo Império Romano no ano 70 dC", Carson continuou.

"Tudo o que resta partes do muro de contenção que rodeava o Segundo Templo. Judeus oram todos os dias no Muro Ocidental, exceto durante aqueles casos em que manifestantes palestinos atiravam pedras do alto do Monte do Templo", lembrou.

O neurocirurgião aposentado acusou a UNESCO de "descaradamente negar a história" e acusou a ONU de fazer falsas acusações contra Israel.

"Esta mais recente resolução aprovada pela UNESCO deve ser um constrangimento grave para as Nações Unidas", escreveu ele.

"Esta tentativa patética para expurgar a conexão sacrossanta, histórica judaico-cristã do Monte do Templo e corroer a ligação inegável com a Cidade Santa de Jerusalém tira das Nações Unidas de qualquer autoridade, credibilidade e moral que a Organização alguma vez já teve", finalizou.

 
Compartilhar
Comentários
Onde Estamos:

» Av. Automóvel Clube, 17.528
Santa Cruz da Serra - Duque de Caxias - RJ

» Rua 12 n° 3  Atrás do D.P.O,  Nova Campinas, Duque de Caxias

» Rua Ubirajára n° 21, Vila Maria Helena, Duque de Caxias

» Av. Moacyr Padilha 1117, Jardim Primavera, Duque de Caxias

» Rua Leibritz antiga 27 n° 479 (CURVA DO S), Jardim Primavera, Duque de Caxias

» Regional Centro-Oeste
Rua Dr. Laureano-Qd 17-Lt 09
Vila Mauá - Goiânia -GO | Tel: (62) 3639-7480

Contato:
(021)*3658-4454
(021)*3653-4920
© 2011 Ministério Internacional Filadélfia - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por InovaSite